Análise de Vulnerabilidades de Fraude em Alimentos, qual o melhor caminho a seguir?

Várias ferramentas para análise de vulnerabilidades de fraudes em alimentos (FFVA) estão disponíveis para download e são recomendadas por importantes instituições. Entre elas podemos citar:

SSAFE: https://www.pwc.nl/en/industries/agrifood/ssafe-food-fraud-tool.html

USP – United States Pharmacopeia: https://www.foodfraud.org/

Qualquer análise de vulnerabilidade, independente da ferramenta, é baseada em critérios básicos para avaliação de riscos com base em uma combinação da probabilidade de ocorrência de um determinado cenário de fraude e os efeitos / severidade quando o mesmo ocorrer. A análise pode considerar também os controles existentes e essa combinação determinará o nível de significância da vulnerabilidade. A partir dai, os recursos e controles definidos no  plano de prevenção serão direcionados para as maiores prioridades.

Mais importante que a ferramenta adotada, uma boa análise de vulnerabilidades deve ser realizada por um time multidisciplinar bem estruturado e capacitado para avaliar a cadeia de suprimentos e cenário de negócios, e deve considerar os seguintes elementos, conforme o documento Guidance on Food Fraud de 10/04/18, emitido pela FSSC 22000:

  • Vulnerabilidade econômica (quão economicamente atraente é a fraude)
  • Dados históricos (aconteceu)
  • Detectabilidade (por exemplo, como é fácil detectar, triagem de rotina presente)
  • Acesso a matérias-primas, materiais de embalagem e produtos acabados na cadeia de fornecimento
  • Relacionamento com fornecedor ( por exemplo, relacionamento longo ou compra pontual)
  • Certificação através de um sistema de controle específico do setor independente para fraude e autenticidade
  • Complexidade da cadeia de fornecimento (por exemplo, tamanho, origens e onde o produto é substancialmente modificado / processado)

Outro fator crítico para o sucesso da análise e do plano de prevenção subsequente  é “pensar como um criminoso” e envolver não apenas o nível técnico operacional mas também as áreas de negócios como Comercial e Compras.

A GRISCOM acredita também que a conexão do tema Food Fraud aos programas de integridade e compliance eleva a questão ao mais alto nível da Organização, potencializando a importância para a proteção do Negócio!

 

leia nosso artigo sobre Fraude em Alimentos: http://griscom.com.br/2018/04/24/fraude-em-alimentos-programas-integridade/

 

Conte conosco para apoiá-lo na análise de vulnerabilidade de fraudes em alimentos e preparação do plano de prevenção de fraudes. Nossa expertise no tema, associada ao nosso conhecimento em Due Dilligence e em programas de compliance e integridade ajudarão sua Empresa na construção de um programa prático e consistente!

 

 

Autor: Newton Conde. Mestre em Engenharia Mecânica pela UNICAMP, pós graduado em Administração de Empresas pela FAAP e Engenheiro Mecânico pela FAAP. Curso de Compliance Anticorrupção – INSPER, Formação Black Belt Six Sigma pela UNICAMP. Auditor Líder em Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001 desde 2003 pela SGS e auditor do Sistema Coca-Cola desde 2006. Atuou pela Trevisan como consultor em mapeamento, análise e modelagem de processos e controles internos. Foi Coordenador Técnico para auditorias do Sistema Coca-Cola no Brasil de 2008 a 2015. Coordenador técnico e auditor para NBR 16501 – Sistemas de Gestão de PD&I. Consultor para Sistemas de Gestão da Qualidade, Gestão de Riscos  e melhoria organizacional com mais de dezoito anos de experiência, incluindo a implantação e certificação de mais de 30 empresas de diversos segmentos e tamanhos, entre as quais Danone, Vigor, Arcellor Mittal, Toshiba Medical, AACD, entre outras. Realização de auditorias internacionais em Unidades de Negócios da The Coca-Cola Company no Egito e na Costa Rica. Possui os certificados Lead Auditor ISO 9001, ISO 14001 e FSSC 22000.